Notícias

+ Notícias

08/09 - Medicamento pode parar melanoma e outros tipos de câncer


Por  Sincofarma MG  Postado 09/9/2016

Pesquisa realizada pela Universidade de Medicina de Virgínia, nos Estados Unidos, encontrou uma droga que pode ser capaz de parar a melanoma, o tipo mais perigoso de câncer de pele, e possivelmente outros tipos de câncer. Os resultados também indicam que o medicamento pode ser eficaz contra melanomas que resistiram aos tratamentos usados atualmente.

A droga chamada de pevonedistat já está sendo testada em pessoas. A forma como o medicamento mata as células cancerosas ainda é incerto, mas os pesquisadores sugerem que a droga aja sobre um proteína essencial para que a melanoma e outros câncer possam se replicar com grande velocidade e com efeito mortal. Eles procuram suspender a produção dessa proteína para que consigam parar o câncer.

Tarek Abbas, PhD, do Departamento de Radiação Oncológica do Centro de Câncer da Universidade de Virginia comenta: " Nós pensamos que este seria o medicamento capaz de lidar com a quantidade de replicação das células cancerosas. Essas células se dividem rapidamente e com frequência estão sob estresse para realizar essa replicação, então é necessário entender as células cancerosas para ser capaz de desenvolver uma maneira de lidar com isso".

A proteína que pode ser bloqueada pelo medicamento é produzida pelo gene CDT2 e é indispensável para que as células cancerosas malignas consigam sobreviver. Sem ele, as células param de se dividir e começam a desmoronar. "Temos grande entendimento agora para fazer a droga funcionar", disse Tarek Abbas.

Quantidades excessivas de proteína são produzidas em células de melanoma e os pacientes com níveis elevados dela têm menos chances de sobreviver. "Estes tumores, não necessariamente apenas o melanoma, são viciados neste gene. Isso os torna muito sensíveis à droga e descobrimos que as células de melanoma que têm níveis mais elevados de expressão de CDT2 são muito mais sensíveis ao medicamento", complementa o pesquisador.

Os níveis elevados da proteína CDT2 também são encontrados em outros tumores, incluindo o de cérebromama e tumores do fígado. Os médicos usam o nível da proteína, como forma de avaliar o prognóstico da doença.

A segurança e a eficácia do pevonedistat em humanos ainda está sendo testada o tratamento não está disponível até o momento. Os pesquisadores se mostram otimistas com base em suas descobertas. "Temos grande esperança de que esta droga terá impacto muito significativo no melanoma em geral. Na verdade, a droga é muito eficaz em todos os melanomas, incluindo aqueles para os quais ainda não há um tratamento eficaz", completa o pesquisador Tarek Abbas.

Fonte: Minha Vida