Notícias

+ Notícias

23/06 - Uso prolongado de analgésicos traz riscos à saúde


Por  Sincofarma MG  Postado 23/6/2016

O risco no uso prolongado de analgésicos opioides, como a morfina, é maior do que se imagina. De acordo com um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), o hábito pode provocar dor crônica. Ainda mais grave, um estudo publicado recentemente no periódico científico JAMA associou o uso contínuo de opioides a um significativo aumento no risco de morte. 

De acordo com Paulo Renato Fonseca, diretor científico da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (Sbed), enquanto nos Estados Unidos há uma crescente preocupação com o abuso de opioides, no Brasil, o problema é o consumo excessivo de analgésicos simples, como paracetamol e dipirona, e de anti-inflamatórios, como nimesulida e cetoprofeno. 

“Esse comportamento é um dos principais desencadeantes da dor crônica, pois a causa da dor é no início ignorada e/ou contornada com o uso dessas drogas. Mas, após tomar um remédio específico por um tempo, seu efeito deixa naturalmente de ser percebido e a pessoa tende a ingerir uma dose superior. Isso a deixa sob o risco de lesões estomacais, sangramentos, danos hepáticos e renais”, diz o especialista.

Por outro lado, no que diz respeito aos opioides, o Brasil está entre os 10 países com as menores taxas de prescrição do mundo. “Aqui, a taxa de consumo é cerca de 20 vezes inferior à de consenso, que é 192,9 mg ao ano por pessoa. Podemos entender assim que a dor nos brasileiros é subtratada”, afirma Fonseca.

Segundo o especialista, isso ocorre por dois motivos. O primeiro é a falha dos profissionais ao mensurar e identificar a dor nos pacientes. Outro grande impasse é a necessidade do receituário amarelo para este tipo de medicamento, que reduz a quantidade de profissionais que podem prescrevê-lo. A principal consequência disso é o sofrimento dos pacientes. Por outro lado, também há um receio, por parte dos pacientes, em tomar este tipo de medicamento, mesmo quando há prescrição médica. 

Pesquisas indicam que, no Brasil, cerca de 60 milhões de pessoas convivem com o problema da dor sub ou não tratada. Nos pacientes com câncer, estudos estimam que mais de 50% deles sofrem dor crônica e, em mais de um terço deles, a dor é intensa, segundo informações da Sbed. “Temos que encontrar o caminho do meio, o equilíbrio: usar os opioides em casos indicados. Com o correto acompanhamento seu uso é sim adequado e recomendado”, ressalta Fonseca. 

Opioides — A Organização Mundial de Saúde (OMS) indica o uso de analgésicos opioides como opção de tratamento para o controle da dor aguda e crônica de intensidade moderada e forte, de acordo com as escalas de mensuração estabelecidas globalmente. Este tipo de medicamento também é um dos componentes da anestesia geral. 

A preocupação com o uso de opioides se agravou após o aumento do número de mortes associadas à overdose destes medicamentos, principalmente nos Estados Unidos. Tanto que, recentemente, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) lançou, pela primeira vez, diretrizes sobre o uso e prescrição de analgésicos desta classe terapêutica como oxicodona, metadona, morfina e derivados da codeína.

Fonte: CFF - Conselho Federal de Farmácia