Notícias

+ Notícias

28/06 - Empresa quer fazer no Brasil remédio à base de maconha


Por  Sincofarma MG  Postado 28/6/2016

Uma start-up do ramo farmacêutico decidiu produzir o primeiro medicamento brasileiro à base de maconha. A ideia é fazer um extrato fitoterápico que trate casos de epilepsia nos quais outros remédios não funcionam.


O anúncio da iniciativa será feito nesta terça (28) no 26º congresso anual da Sociedade Internacional de Pesquisa de Canabinoides, na Polônia.

A start-up Entourage Phytolab busca desenvolver um medicamento fitoterápico à base de maconha desde que foi fundada, em 2015. A previsão dela é que a droga seja lançada em 2018.

A vantagem de um medicamento brasileiro,desenvolvido e testado no país, seria a segurança e a garantia de fornecimento para quem necessita da droga —que não precisaria mais depender, como ocorre hoje, de autorizações para importá-la.

Os principais componentes do extrato da erva são o tetra hidro canabinol (THC) e o canabidiol (CBD). O primeiro é psicotrópico;o segundo,não.

Tanto o THC quanto o CBD têm propriedades farmacológicas que os fazem ser de interesse medicinal. O problema é o grande potencial de abuso, principalmente do THC —isso dificulta o licenciamento de medicamentos baseados no composto.

A iniciativa da Entourage, no entanto, está direcionada para a produção de um extrato que seja rico em CBDe com pouquíssimo THC. Para isso, serão utilizadas flores de uma variedade de cannabis fornecida pela Bedrocan,multinacional especializada em produção para uso medicinal. Os demais componentes da erva não serão eliminados, de acordo com Caio Santos Abreu, diretor-executivo da start-up.O motivo é que a pequena fração de outras moléculas pode ajudar no efeito do CBD,reduzindo os efeitos colaterais e balizando os efeitos farmacológicos desejados.

Esse efeito de várias moléculas ajudando a ação de uma outra é conhecido como “efeito entourage” e tem ganhado entusiastas no meio acadêmico, particularmente entre os que estudam o sistema de receptores canabinoides, presentes em vários tecidos do corpo humano.

Isso transformaria, em tese, a desvantagem de ter um remédio “sujo”,não puro,em uma vantagem —já que seria praticamente impossível repor artificialmente as inúmeras moléculas presentes no extrato da cannabis.

Não se sabe exatamente qual é o mecanismo de ação do CBD para tratar a epilepsia, mas isso não inviabiliza o estudo de uma nova possibilidade de tratamento, diz Fabrício Pamplona, diretor científico da Entourage. “Sabe-se que há um controle especialmente eficaz quando há excesso de excitabilidade neuronal característico de uma crise epiléptica”, afirma o farmacêutico.

Depois da padronização da obtenção do extrato candidato a medicamento,haverá testes em ratos para garantir a segurança do processo. É aí que entra em cena a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária),que deve supervisionar e chancelar todas as etapas de testes clínicos em pessoas e animais.

Por se tratar de tecnologia desenvolvida no Brasil, em uma questão de saúde importante para a qual não há tratamento (epilepsias refratárias, como a síndrome de Dravet),Abreu espera que o projeto transite com celeridade.

Da parte científica, não são esperadas dificuldades para se cumprir as etapas necessárias, dado que diversos estudos anteriores apontam na mesma direção para a qual a start-up está mirando.

Um medicamento à base de CBD da farmacêutica GW chamado Epidiolex obteve bons resultados em estudos —54% de redução no número de crises. Em breve pode haver o registro nos EUA.

Fonte: CFF - Conselho Federal de Farmácia